• ---
  • Máx: ?
  • Min: ?

  • ---
  • Máx: ?
  • Min: ?

Notícias

Palestra sobre Brucelose e Tuberculose fez alerta para os produtores

- Publicado em 29/10/2019 às 14:29 - Atualizado em 29/10/2019 às 14:32


Créditos: Cinthia Borsatto/ Assessoria de Imprensa Baixar Imagem

A Secretaria de Agricultura de Guaraciaba com o apoio da CIDASC realizaram na última quinta-feira (24), uma palestra sobre brucelose e tuberculose. Conforme o Secretário de Agricultura Sérgio Thalheimer o município de Guaraciaba conta com aproximadamente 1.200 propriedades rurais que possuem a criação de bovinos. Outra informação segundo Thalheimer, é que neste ano, no município foram detectados 14 focos de Brucelose e cinco focos de Tuberculose e somente na última semana foram 86 bovinos para abate, por causa das doenças, somando neste ano o montante de 292 animais para o abate.

Outra informação é que somente em Guaraciaba neste ano, foram realizados mais de quatro mil testes em animais, segundo a CIDASC, um dos municípios da região da AMEOSC que mais realizada exames para comprovação destas doenças. Ainda segundo informações da Secretaria de Saúde do município, são seis casos de brucelose humana neste ano.

Sobre as doenças nos animais

Brucelose: é uma doença causada por uma bactéria, sendo responsável por grandes prejuízos no rebanho de bovinos, devido a abortos, redução da fertilidade e queda na produção leiteira. A fonte de contágio principal é a contaminação ambiental pelas bactérias que são eliminadas durante as ocorrências de aborto, podendo contaminar água, alimento e pastagens.

Tuberculose: é uma doença crônica causada por uma bactéria, caracterizada por desenvolvimento de lesões em diversos órgãos, podendo afetar os animais e o homem. O animal com tuberculose é a principal fonte de contágio a outros animais, transmitindo a doença via ar e pela contaminação ambiental, da água, pastagens, utensílios e cochos e leite.

Cuidados Gerais para Prevenção da Brucelose e Tuberculose Humana

Os sinais e sintomas da Brucelose e Tuberculose são febre alta (38⁰C), mal-estar, sudorese (noturna e profusa), calafrios, fraqueza, cansaço físico, perda de peso, dores (de cabeça, articulares, musculares, no abdômen e nas costas), fadiga, tosse crônica.

Alguns cuidados comuns importantes para serem adotados para evitar/prevenir a contaminação da doença:

Ferver o leite por 3-5 minutos; consumindo apenas leite fervido ou pasteurizado;

Cozinhar/ fritar/ assar a carne, vísceras e derivados de carne; (sempre ingerir bem cozidas)

Utilizar luvas para o contato com placentas de animais, em caso de abortos ou com secreções e resíduos do parto;

Utilizar máscaras ao contato com os animais;

Utilizar luvas e mascaras para o contato com vacinas ou secreções aerossóis;

Utilizar equipamentos de proteção individual (EPIs) para o trabalho na atividade leiteira, incluindo botas (durante o manejo de animais, vacinação ou manipulação de elementos passíveis de conter as bactérias causadoras da brucelose e tuberculose);

É aconselhado a higienização e desinfecção periódica de todas as instalações, especialmente bebedouros e comedouros;

Manter uma boa higiene e desinfecção dos locais de produção animal e de produtos derivados (galpões onde os animais são ordenhados, piquetes, locais onde ocorrem partos ou permanece o animal prenhe ou em tratamento sanitário, frigoríficos, açougues, matadouros e outras áreas potencialmente contaminadas pela circulação de gado).

Lave sempre as mãos após lidar com os animais;

O leite dos animais contaminados não deve ser consumido, deve-se ainda ter monitoria veterinária em relação à saúde do rebanho, diagnóstico dos animais mortos e controle do transito de animais fora da propriedade;

Observar casos repetidos de abortos ou repetição de cio em vacas na propriedade e notifique a ocorrência de aborto á CIDASC para receber mais orientações;

Vacina para brucelose é muito importante nas fêmeas de 2 a 8 meses; bem como testes tuberculínicos;

Caso haja diagnóstico positivo, é obrigatório o abate dos animais e acompanhamento do rebanho conforme orientado pelo veterinário;

Diariamente, deve-se evitar o contato direto ou indireto com animais doentes ou potencialmente contaminados e seus produtos derivados;

Não alimentar cães e outros animais com produtos de origem animal crus e se for oferecer leite para os mesmos, ferva antes;

O tratamento térmico adequado da carne e dos produtos lácteos é muito importante para a prevenção eficaz da brucelose em humanos, portanto, acondicionar em geladeira estes produtos, sempre.

Cinthia Borsatto/ Assessoria de Imprensa

 


Galeria de Fotos

  • {{galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
  • {{galeriaMultimidia.length + galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
Fechar